Startup ligada a vídeo ajuda a relação entre animais e veterinários

0
75
startup-ligada-a-video-ajuda-a-relacao-entre-animais-e-veterinarios
Cachorro startup ligada a vídeo ajuda a relação entre animais e veterinários - 14268 2 EL - Startup ligada a vídeo ajuda a relação entre animais e veterinários

(SÃO PAULO) – Quando um animal querido adoece, o dono tem poucas opções para agir.

“Mesmo que seu animal tenha um problema pequeno, não existe outra escolha atualmente além de correr ao veterinário”, diz o empreendedor e investidor serial Diwaker Singh. “Mesmo que em mais de 30% dos casos o animal nem precisasse estar lá – o veterinário poderia resolver a questão por telefone”.

É aí que Singh acredita que entra o PawSquad. A startup diz que seu sistema de “telemedicina” pode ajudar as pessoas a fornecer o cuidado adequado a seus animais, quando necessário.

Os donos podem solicitar uma conversa por vídeo, como se fosse um Skype, com um veterinário, sem precisar colocar o animal em um veículo e transportá-lo à clínica mais próxima. As consultas virtuais custam 15 libras – mais baratas do que uma visita comum a um veterinário, que pode chegar a valores entre 30 e 40 libras.

Singh criou a companhia cinco meses atrás, e diz que o PawSquad vai funcionar como uma primeira frente de defesa. “Se seu animal não estiver bem no fim de semana ou você tem uma pergunta sobre comportamento ou vacinação, podemos colocar você em contato com um especialista o mais rápido possível. Se o animal precisar ir a uma clínica, podemos ajudar a marcar o horário”, diz. Sob as leis do Reino Unido, o serviço não pode prescrever nenhum medicamento – diferentemente dos serviços humanos equivalentes, como o app Babylon de “médico de bolso”. Isso significa que o serviço será limitado a cuidados de triagem e orientação.

O PawSquad tem um painel com 20 veterinários certificados que oferecem consultas entre 6 da manhã e meia noite todos os dias. O plano é construir uma base de dados seguindo um “conceito Uber” para permitir que os veterinários com tempo livre se cadastrem e, depois de uma entrevista cara-a-cara com credenciais conferidas, ganhem dinheiro extra em casa.

“Vários veterinários moram em zonas rurais e não conseguem trabalho o suficiente para o dia inteiro, enquanto a muitos deles são mulheres com compromissos familiares que querem trabalhar mas não têm a oportunidade de fazer isso”, explica Singh.

Como o Uber, o PawSquas vem com um sistema de pontuações para que os usuários possam ver se um veterinário já recebeu avaliações de outras pessoas, bem como suas qualificações.

Atualmente, as consultas estão disponíveis apenas via computadores desktop, mas o lançamento de um aplicativo móvel está marcado para outubro de 2015.

Assim que o negócio estiver estabelecido no Reino Unido, o empreendedor planeja leva-lo aos EUA, onde competirá com um serviço semelhante chamado Veto n Demand – e à Escandinávia. A companhia já possui 900.000 em financiamento por um grupo de investimento chamado Gecad, e planeja uma nova rodada no ano que vem.

O gerente de investimento da Northster Ventures Dr. Alex Buchan, que investiu em startups de saúde animal, diz que a telemedicina tem sido lenta em adentrar o mercado animal porque esse mercado é muito fragmentado. Entretanto, ele diz, “as pessoas são loucas por seus animais” e já costumavam gastar dinheiro toda vez que vão ao veterinário. Ele permanece cauteloso sobre o PawSquad porque, ele diz, “pela minha própria experiência nós podemos ligar para um veterinário sem pagar por isso de qualquer jeito”.

Singh contrapõe: “existem nove milhões de cachorros, oito milhões de gatos e dois milhões de coelhos, porquinhos da índia e hamsters na Inglaterra. Se cada dono de animal pudesse ligar gratuitamente a um veterinário, a maioria das operações seriam ligações e os veterinários perderiam seus empregos. Estamos tentando tornar o cuidado animal mais acessível, barato e conveniente para todos”.

Recentemente, Singh levou seu cachorro Nero ao veterinário depois de ele ser ferroado por uma vespa. “Eu esperei duas horas antes de um veterinário atende-lo e o tratamento foi algo que eu poderia facilmente ter feito em casa. Se o PawSquad já existisse, teria sido mais conveniente e com melhor custo-benefício. Mais importante que isso, Nero não teria passado pelo trauma de ir a um veterinário”.

Por Olivia Solon

Traduzido por Paula Zogbi