Cunhado de Ana Hickmann é absolvido em segunda instância

0
8
cunhado-de-ana-hickmann-e-absolvido-em-segunda-instancia

Em sessão nesta terça-feira, 10, a 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), decidiu manter a absolvição do empresário Gustavo Henrique Bello Correa, cunhado da apresentadora Ana Hickmann.


Acusado de matar Rodrigo Augusto de Pádua, em 21 de maio de 2016, em um hotel no bairro Belvedere, na região sul de Belo Horizonte, Gustavo foi absolvido em 2ª instância.

De acordo com a denúncia do Ministério Público, a vítima era fã de Ana Hickmann e nutria por ela uma espécie de “amor platônico”

Incomodada com as insistentes mensagens enviadas por Rodrigo, por meio de mídias sociais, Ana decidiu bloqueá-lo. Isso revoltou a vítima, que, sentindo-se menosprezado, passou a planejar um ataque à artista.

Ele então se deslocou para a capital mineira e hospedou-se no mesmo hotel onde estava a apresentadora e a equipe dela. Armado, o homem invadiu o quarto onde a artista, a irmã e o cunhado dela estavam hospedados.

No quarto, a vítima e o réu entraram em luta corporal. Gustavo conseguiu se apoderar da arma de Rodrigo e disparou em sua nuca.

Gustavo foi denunciado pelo MP de Minas Gerais por homicídio doloso, quando há intenção de matar. O argumento do promotor Francisco Santiago foi que, como Rodrigo foi morto com três tiros, a ação configurou excesso de legítima defesa e homicídio.

Os desembargadores Júlio César Lorens (relator), Alexandre Victor de Carvalho e Eduardo Machado entenderam que a conduta de Gustavo não foi excessiva e sim de legítima defesa, devido à situação de tensão, cansaço, pânico e angústia do empresário.

Segundo o relator, a ofensa cometida pelo empresário foi justa e lícita, diante de uma ameaça iminente, real e atual, e não restava alternativa ao recorrido senão defender a si e à sua família.

Em decisão em abril de 2018, a juíza Âmalin Aziz Sant’Ana, sumariante do 2º Tribunal do Júri da capital, já havia absolvido o empresário.

Na sentença, a juíza afirmou ter ficado claro que “os disparos efetuados pelo réu foram sequenciais”, ao contrário do que afirmava a denúncia, que dizia que isso ocorreu com a vítima já desfalecida, impossibilitada de oferecer qualquer resistência.

Ana comemora

Em suas redes sociais, Ana Hickmann comemorou e agradeceu a Deus pela absolvição de seu cunhado. “Mais uma vez a justiça foi feita”, comentou.

- ban livraria2019 - Cunhado de Ana Hickmann é absolvido em segunda instância