Crise na Receita ameaça restituição do IR; 8 milhões ainda não receberam

0
29
crise-na-receita-ameaca-restituicao-do-ir;-8-milhoes-ainda-nao-receberam

Pelo menos 8 milhões de pessoas ainda estão na fila para receber a restituição do Imposto de Renda nos quatro lotes que faltam, segundo dados da Receita Federal. Ao todo, serão devolvidos aproximadamente R$ 9,6 bilhões. Porém, a falta de verbas que atinge o órgão pode colocar em risco esses pagamentos, segundo a “Folha”.


A assessoria da Receita disse ter recursos suficientes para financiar suas atividades até 24 de setembro. Isso inclui pagamento de restituição do IR, emissão de CPF e controle de importação e exportação.

Porém, de acordo com o cronograma do Imposto de Renda, os três últimos lotes de restituição devem ser pagos após 24 de setembro:

  • 5º lote: 15/10/2019
  • 6º lote: 18/11/2019
  • 7º lote: 16/12/2019

Ao UOL, a Receita disse que “não há, até o momento, nenhuma sinalização para alteração do cronograma de pagamento” das restituições.

Na segunda-feira (9), foi liberada a consulta ao quarto lote. Ele inclui R$ 3,5 bilhões, que devem ser pagos a 2.819.522 de contribuintes na próxima segunda (16). Com isso, mais de 5 milhões de contribuintes ficariam na fila para os três últimos lotes.

A Receita afirma que esses números podem mudar porque ainda devem entrar declarações que apresentam alguma pendência, além de entregas de novas declarações, atrasadas.

Ministério teve que cortar até café

A ameaça da suspensão dos serviços já tinha acontecido em agosto, após o governo anunciar o bloqueio de parte do Orçamento federal. A medida fez com que o Ministério da Economia cortasse gastos com estágio, telefone e pacote de dados de servidores, diárias e passagens internacionais e até o café.

A economia prevista com os cortes foi de R$ 366 milhões. Também foi transferido R$ 1,8 bilhão dentro do próprio Ministério para chegar ao valor necessário para manter os serviços funcionando.

Quer saber mais informações e dicas sobre economia e finanças pessoais de um jeito fácil de entender? Siga @uoleconomia no Instagram!