Como saber meu número do PIS/Pasep? Prazo para sacar até R$ 998 acaba hoje

0
50
como-saber-meu-numero-do-pis/pasep?-prazo-para-sacar-ate-r$-998-acaba-hoje

Termina hoje (28) o prazo para sacar o abono salarial do PIS/Pasep para quem trabalhou em 2017. O valor varia de R$ 84 a R$ 998, de acordo com o tempo trabalhado naquele ano. Quem não fizer o saque perderá o direito ao benefício.


Com os números do PIS e do Pasep é possível consultar se tem direito ao abono e a outros benefícios, incluindo o saque das cotas do fundo do PIS/Pasep.

A diferença entre os dois é que um é ligado a trabalhador da iniciativa privada (PIS) e o outro, a trabalhador do serviço público (Pasep).

O número do PIS é o mesmo do NIS (Número de Identificação Social) e do NIT (Número de Identificação do Trabalhador).

Os números podem ser encontrados em alguns documentos:

  • Carteira de trabalho
  • Extrato do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço)
  • Cartão Cidadão (só para PIS)
  • Agência da Caixa, com documento oficial com foto (só para PIS)
  • Agência do Banco do Brasil, com RG e CPF (só para Pasep)

Outra forma de conseguir os números é pelo site do CNIS (Cadastro Nacional de Informações Sociais), mas o site está apresentando instabilidade nesta sexta-feira. Veja o passo a passo:

  • Acesse o site do CNIS;
  • Escolha o item “Cidadão”;
  • No canto superior, à esquerda, clique em “Inscrição”;
  • Escolha a opção “Filiado”;
  • Preencha os campos com suas informações pessoais;
  • Após clicar em continuar, aparecerá uma faixa vermelha com o seu NIT. Esse é o seu número do PIS ou do Pasep.

O que é o PIS/Pasep

O PIS (Programa de Integração Social) e o Pasep (Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público) são programas pelos quais as empresas e órgãos públicos depositam contribuições em um fundo ligado aos seus empregados, o fundo do PIS/Pasep.

O dinheiro desse fundo atualmente vai para o FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador), que paga benefícios como o abono salarial e o seguro-desemprego.

Mas, entre 1971 e 1988, os depósitos das empresas e órgãos públicos eram feitos em nome de cada um dos trabalhadores, em contas individuais. Cada trabalhador, então, era dono de uma parte (cota) no fundo.

É essa a razão de só possuir cotas no fundo quem trabalhou com carteira assinada em empresa privada ou no serviço público entre 1971 e 1988.

O saque do dinheiro do fundo só pode ser feito quando preenchido algum dos requisitos, como ter 60 anos ou mais ou ser aposentado.