Cade questiona Elo, Santander e TecBan em inquérito sobre concentração

O Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) enviou questionamentos ao banco Santander, a bandeira de cartão Elo, a TecBan (empresa dona rede caixas eletrônicos Banco24Horas). O órgão federal, responsável por zelar pela livre concorrência no Brasil, conduz inquérito administrativo que avalia eventuais práticas anticompetitivas no mercado de meios de pagamento e os efeitos decorrentes da…

cade-questiona-elo,-santander-e-tecban-em-inquerito-sobre-concentracao  - 27345609 cade questiona elo santander e tecban em inquerito sobre concentracao - Cade questiona Elo, Santander e TecBan em inquérito sobre concentração

O Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) enviou questionamentos ao banco Santander, a bandeira de cartão Elo, a TecBan (empresa dona rede caixas eletrônicos Banco24Horas). O órgão federal, responsável por zelar pela livre concorrência no Brasil, conduz inquérito administrativo que avalia eventuais práticas anticompetitivas no mercado de meios de pagamento e os efeitos decorrentes da verticalização no sistema financeiro,

O processo foi aberto em dezembro de 2018, após sugestão do Senado Federal. Após instaurar o inquérito administrativo, a Superintendência-Geral do Cade enviou ofícios a diversas fintechs para que elas se manifestassem sobre eventuais problemas decorrentes da verticalização de empresas no setor financeiro.

A verticalização ocorre quando há o domínio de um grande conglomerado em diferentes setores de uma mesma atividade econômica. No caso, o banco é dono de vários produtos e serviços da mesma cadeia de negócios.

Alguns bancos são donos de bandeiras de cartão, de máquinas de cartão e ainda são emissores dos cartões. As instituições financeiras argumentam que esse modelo reduz custos.

Imposições comerciais

Ao Santander, o Cade questionou se o banco já impôs a contratação da Getnet, maquininha de cartão da qual é dono, como condição para a abertura de contas correntes por estabelecimentos comerciais.

O órgão também perguntou se o banco já impôs metas de vendas para clientes que usam a Getnet. Também quis saber se a maquininha de cartões já exigiu que um estabelecimento comercial tenha conta no Santander para fechar um contrato.

Troca de informações

O Cade questionou a Elo se existe diferenciação de valor das tarifas cobradas do Banco do Brasil e Bradesco, donos da bandeira, e da Cielo -maquininha de cartão controlada pelos mesmos bancos- em relação aos concorrentes nos segmentos de emissão de cartões e credenciamento.

O órgão de defesa da concorrência também perguntou à Elo se a Cielo tem acesso às informações que as demais credenciadoras prestam à Elo. Segundo o Cade, a empresa do setor de pagamentos Stone teve a informação de que colaboradores da Cielo teriam acesso a dados da Stone.

Além disso, o Cade pediu que a Elo detalhasse se possui regras definidas que proíbem a troca de informações entre as duas empresas (prática conhecida como “chinese wall” – muralha da China).

Recusa para se conveniar

Para a TecBan, o Cade perguntou se a empresa exige exclusividade de bancos ou bandeiras conveniadas, proibindo que eles tenham contrato com outas empresas que oferecem terminais de autoatendimento.

O Cade também questionou se a eventual exigência de exclusividade é válida para bairros e municípios em que não haja caixas eletrônicos da empresa e se já recusou solicitações de bancos ou bandeiras para se conveniarem à rede Banco24Horas.

Elo e TecBan devem responder aos questionamentos até 7 de novembro, e o Santander até 8 de novembro. As empresas podem ser multadas em R$ 5.000 por dia se não se manifestarem.

O UOL procurou todas as empresas citadas, mas não recebeu resposta até a conclusão deste texto.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com