Brasil também já declarou moratória; relembre países que deram calote

0
39
brasil-tambem-ja-declarou-moratoria;-relembre-paises-que-deram-calote

O governo da Argentina declarou moratória ao FMI (Fundo Monetário Internacional). O ministro da Fazenda, Hernán Lacunza, afirmou que o governo propôs revisar os prazos para pagamento de sua dívida. Ou seja, está disposto a negociar.


Em alguns casos, porém, a crise pode ser tão grave que o país pode simplesmente declarar não ter condições de pagar seus compromissos internacionais, sem chegar a um acordo com os bancos. Relembre alguns casos em que países recorreram ao calote.

Grécia, 2015

A Grécia entrou em moratória com o FMI em junho de 2015 ao deixar de fazer um pagamento de 1,5 bilhão de euros. Duas semanas depois, deu calote em um segundo pagamento, de 456 milhões de euros, também ao FMI. A dívida do país estava em torno de 180% de seu PIB (Produto Interno Bruto).

Como o país faz parte da União Europeia (UE), sua crise podia ter sérias repercussões no bloco econômico. A UE fez um empréstimo de urgência, que permitiu à Grécia pagar rapidamente o FMI e continuar recebendo ajuda financeira da instituição.

Em agosto do mesmo ano, a Grécia e seus credores chegaram a um acordo e o país recebeu um terceiro resgate, de 86 bilhões de euros em três anos.

Equador, 2008

Em 12 de dezembro de 2008, o Equador suspendeu o pagamento de quase 40% de sua dívida internacional, que então somava US$ 9,9 bilhões, equivalentes a 19% do PIB do país.

O então presidente, Rafael Correa, economista eleito em 2006, declarou moratória seletiva. Correa considerava que uma parte da dívida era ilegítima, devido às irregularidades durante a negociação, no começo dos anos 2000. Era a terceira vez que o Equador entrava em moratória em 14 anos.

Argentina, 2001

Há menos de 20 anos, a própria Argentina já tinha usado o recurso do calote. Em 23 de dezembro de 2001, a Argentina declarou moratória da dívida de US$ 100 bilhões. A interrupção de pagamentos aconteceu em meio a uma grave crise, influenciando os principais centros financeiros internacionais.

O país vivia uma recessão havia três anos, estava sujeito a um rigoroso regime de corte de gastos e tinha perdido o controle de sua dívida. No início de dezembro, temendo o colapso de sua economia, limitou o montante dos saques nos bancos. As medidas geraram revoltas na população. A repressão deixou cerca de 30 mortos e forçou a renúncia do presidente Fernando de la Rúa.

Nos anos seguintes, o governo fez vários planos de reestruturação e, após ofertas em 2005 e 2010, a maior parte dos credores aceitou uma troca da dívida. Contudo, uma minoria dos credores, chamada de “fundos abutres”, foi à Justiça exigir o pagamento integral.

Após o atual presidente, Mauricio Macri, ser eleito, no começo de 2016, o país chegou a um acordo com os últimos donos de bônus e pôde voltar aos mercados internacionais depois de 15 anos ausente.

Rússia, 1998

Em agosto de 1998, o governo russo declarou uma moratória de 90 dias sobre sua dívida externa, anunciando uma desvalorização da moeda e da dívida nacional. A dívida externa atingiu US$ 141 bilhões, de acordo com as estimativas da agência de avaliação de risco Fitch.

O país foi afetado pela crise asiática, e a moeda local, o rublo, caiu com a pressão de especuladores, após a queda dos preços do petróleo, base das exportações russas. A Rússia levou 12 anos para poder voltar aos mercados internacionais.

Brasil, 1987

O Brasil também optou pela moratória, mais de uma vez, inclusive. A última foi no final dos anos 1980, durante o governo de José Sarney.

No dia 20 de fevereiro de 1987, o então presidente fez um pronunciamento de rádio e TV anunciando a suspensão, por tempo indeterminado, do pagamento dos juros da dívida externa, apesar de não citar a palavra “moratória”.

A medida foi consequência da queda das reservas cambiais. Segundo a “Folha” noticiou na época, o governo tinha em caixa US$ 3,962 bilhões, em números não corrigidos. O então ministro da Fazenda, Dilson Funaro, disse que o Brasil não poderia continuar pagando a dívida se ela atingisse o limite de US$ 4 bilhões. Nos cinco anos anteriores, o país tinha gasto R$ 55,8 bilhões com o pagamento de juros.

México, 1982

Em agosto de 1982, os mercados financeiros e mil credores receberam um telex informando que o México não poderia mais honrar sua dívida. A dívida chegava a US$ 86 bilhões, e os juros, a US$ 21 bilhões.

Eleito em 1976, o presidente José López Portillo tinha acumulado dívidas e gastado sem levar em conta as receitas do petróleo. O desequilíbrio piorou em 1981, com a queda no preço do petróleo.

Os Estados Unidos deram um empréstimo de emergência, e o FMI ofereceu assistência financeira em troca de drásticas reformas estruturais. O FMI voltou a resgatar o México com uma ajuda de US$ 17,8 bilhões em 1995, como parte de um pacote internacional total de US$ 50 bilhões.

(Com AFP)