Brasil se volta à Índia diante de piora da relação com Argentina

(Bloomberg) — O presidente Jair Bolsonaro chega à Índia na próxima semana para um movimento de aproximação comercial com o gigante global de olho num mercado valioso para alimentos e commodities minerais. Esse passo ocorre ao mesmo tempo em que a relação do Brasil com a Argentina, seu principal parceiro no Mercosul, se deteriora.A estratégia…

brasil-se-volta-a-india-diante-de-piora-da-relacao-com-argentina  - 575e6c0f brasil se volta a india diante de piora da relacao com argentina - Brasil se volta à Índia diante de piora da relação com Argentina

(Bloomberg) — O presidente Jair Bolsonaro chega à Índia na próxima semana para um movimento de aproximação comercial com o gigante global de olho num mercado valioso para alimentos e commodities minerais. Esse passo ocorre ao mesmo tempo em que a relação do Brasil com a Argentina, seu principal parceiro no Mercosul, se deteriora.

A estratégia do governo brasileiro se baseia no fato de que a Índia cresceu a uma taxa de cerca 7% ao ano na última década, dobrou sua renda per capita e vai ultrapassar a China como país mais populoso do mundo nos próximos 10 anos.

“A experiência internacional mostra que as pessoas comem mais e investem em infraestrutura quando sua renda dobra”, disse o secretário especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, Marcos Troyjo, em entrevista.

O governo vê a possibilidade de aumentar de US$ 7 bilhões para US$ 25 bilhões o comércio com a Índia.

Argentina

Já o clima com a Argentina, com quem o Brasil viveu um período de aproximação em 2019, o que abriu caminho para o fechamento do acordo União Europeia-Mercosul, piorou desde as eleições no país vizinho, com a vitória de Alberto Fernandez.

“Temos direção de maior integração do Brasil à economia mundial. O que vamos fazer com o Mercosul está direcionado a essas diretrizes. Mas todos os sinais que a gente recebe nas últimas semanas são ruins”, disse Troyjo. “Não vamos nos permitir, como no passado, trafegar em velocidade de comboio, em que a velocidade de todos é determinada pela velocidade do veículo mais lento.”

Davos

Antes da viagem à India, a equipe ecônomica, incluindo Troyjo e o ministro Paulo Guedes, irá ao Fórum Econômico Mundial de Davos. A mensagem levada é de que o Brasil conseguiu fazer a reforma da Previdência, ao contrário de países que vêm aumentando suas despesas com pensões, e que está “nadando contra a corrente” mundial, reduzindo o tamanho do estado — o que Troyjo chamou de “grande diferenciação” do Brasil no contexto global.

“Temos um gigantesco estoque de liquidez no mundo e falta de investimentos em infraestrutura. Queremos resolver este grande paradoxo”, disse o secretário.

China

O Brasil também continua buscando aproximação com a China, mas isso não passa pelo fechamento de um acordo comercial. O que o país busca é que o acordo UE-Mercosul torne o país mais atraente para os chineses, abrindo espaço para aumentar o volume e diversificar a pauta exportadora.

Troyjo disse que a assinatura da primeira fase do acordo comercial EUA-China é uma ótima sinalização e terá reflexo positivo no Brasil. Segundo ele, neste momento o que mais o país precisa é a diminuição dos níveis de incerteza global para avançar com as reformas econômicas. “É melhor fazer isso num ambiente de céu azul do que de chuva forte.”

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.

Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.

Mais podcasts do UOL no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com